Portal Uno Midias
Brasil

Justiça autoriza Suzane Richthofen a sair da cadeia para estudar

A Justiça de São Paulo autorizou Suzane von Richthofen, 37 anos, a sair da penitenciária feminina de Tremembé (147 km de SP), onde cumpre pena pelo assassinato dos pais, para que possa iniciar a graduação em Farmácia em uma faculdade em Taubaté (140 km de SP). Ela foi condenada a 39 anos de prisão, em 2006, pelo homicídio de Manfred e Marísia von Richthofen, quatro anos antes. Suzane está na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrasia Pelletierde, em Tremembé, desde em 2 de fevereiro de 2017. A história dela foi publicada em livro e também é contada em dois filmes até o momento.

A decisão foi publicada no último dia 10 e é assinada pelo desembargador José Damião Pinheiro Machado Cogan, da 5ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). O curso ao qual Suzane foi autorizada a frequentar começou em 16 de agosto deste ano. No pedido para que sua cliente pudesse estudar, a advogada Jaqueline Beatriz Ferreira Domingues argumenta que Suzane está no regime semiaberto, conta com histórico de bom comportamento, além de ter conquistado sua vaga no curso superior por meio do Enem.

À reportagem, a defensora afirmou que, apesar de autorizada, Suzane ainda não começou a ir às aulas. Sobre a decisão da Justiça, a advogada acrescentou que, no momento, “não há nada a falar”. O MP-SP (Ministério Público de São Paulo) se manifestou contra os estudos presenciais de Suzane, alegando que “a segurança da paciente não poderia estar garantida”, além de destacar o fato de as aulas terem começado na segunda quinzena de agosto. Apesar das alegações a Promotoria, a Justiça autorizou a saída de Suzane, para que frequente as aulas.

O TJ-SP determinou que Suzane possa ficar fora do sistema prisional entre 17h e 23h55. O pedido para que ela pudesse frequentar as aulas foi protocolado por sua defesa em 12 de agosto.

Essa não é a primeira vez que Suzane tenta frequentar um curso superior. Ela foi autorizada, também por meio de uma decisão judicial, a estudar em 16 de junho de 2016. O curso que seria frequentado, porém, não é mencionado pela Justiça. Suzane acabou não frequentando as aulas na ocasião, ainda segundo o TJ-SP, por causa de sua “situação econômica”. Presa em novembro de 2002, Suzane está desde 2015 no regime semiaberto, no qual a execução da pena é realizada em colônias agrícolas, industriais ou em estabelecimentos similares. A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) não havia se manifestado sobre a decisão judicial, da mesma forma que a Promotoria, até a publicação desta reportagem.

Related posts

Integrantes do PCC são condenados a mais de 270 anos de prisão

Junior Ferreira

Marinha do Brasil tem inscrições abertas para sete concursos públicos

Redação

Brasil vence os Emirados Árabes em último teste antes da Olímpíada

Redação