Portal Uno Midias
Brasil

Homem joga pedra em bebê e mãe aponta racismo: “Me chamou de suja”

Júlia Barros de Andrade e seu marido estavam brincando com a filha, de um ano e seis meses, em uma área de lazer de um condomínio fechado, quando foram atacados com pedras e ofensas por um homem. O caso aconteceu em Campinas, em São Paulo.

Durante a brincadeira com a criança, Júlia começou a ouvir as reclamações. Um vídeo divulgado nas redes sociais mostrou o agressor discutindo com outros moradores e gritando contra a mulher. “Não coloquei essa merda dessa criança aí no mundo. Essa bosta, que saiu de você”, disse o homem.

Júlia revelou à EPTV, afiliada da TV Globo, que sofreu injúria racial do agressor. “Me chamou de suja, me chamou de encardida, falou que eu tinha que voltar para o lugar de onde eu vim, que o que eu coloquei no mundo foi uma indigente. Ele discutia com o meu marido, mas não ofendia meu marido. Ele só ofendia a mim a minha filha”, contou.

Segundo o UOL, mais de 20 ocorrências de desentendimentos envolvendo o mesmo homem já foram registradas na delegacia. Vizinhos do agressor relataram que ele se irrita facilmente com barulhos que “o impedem de trabalhar” e começa a jogar lixo, restos de comida e pedras nas pessoas.

Outro morador do mesmo condomínio revelou que passou por uma situação semelhante a de Júlia. “Ele alega que incomoda, que ele está trabalhando em casa, aí ele perde o controle. Inicialmente ele jogava lixo, jogava restos de comida, restos de recicláveis, tanto ele como a esposa dele e depois ele começou a ir pra uma ação de tacar pedras, quase acertou meu filho. Passou a 20 centímetros dele”, relembrou.

Outras reclamações como danos a faróis de veículos, agressão a idosas e outras crianças também foram registradas pela vizinhança.

ISTOE É

Related posts

Despacho de bagagem de mão fora do padrão começa nesta quinta em 4 aeroportos do país

Redação

Sancionada lei que prioriza testes para profissionais essenciais

Redação

Dodge opina contra pedido de Lula por suspeição de Moro e diz que é preciso avaliar diálogos

Redação