Portal Uno Midias
Cotidiano

Conselho de Direitos Humanos reabre caso Rubens Paiva

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) reabriu nesta terça-feira (2) processo para investigar o assassinato do ex-deputado federal e engenheiro civil Rubens Paiva. Ele foi preso, torturado e morto pela ditadura militar em 1971. Tido como desaparecido por 40 anos, teve a morte confirmada em decorrência dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, concluída em 2014.

Na época, ainda em 1971, o caso foi arquivado pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), que cumpria função semelhante ao CNDH. A votação ficou empatada e coube ao presidente do Conselho, o então ministro da Justiça, Alfredo Buzaid, o voto de desempate para arquivar o caso. Anos depois, ainda no período da ditadura, a representante da Associação Brasileira de Educação (ABE) disse que votou pelo arquivamento por ter sido pressionada por outros membros do conselho e por militares.

Notícias relacionadas:

Comissão aprova pedido de perdão inédito por violações na ditadura.Ditadura bloqueou reversão da desigualdade no Brasil.Escolas foram usadas para difundir ideologia autoritária na ditadura.A sessão desta terça-feira teve a presença de familiares de Rubens Paiva, como a filha Vera Paiva. A reabertura do processo foi proposta pela presidente do CNDH, Marina Dermman, e teve concordância de quase todos. Apenas a representante do Ministério da Justiça, Roseli Faria, se absteve, porque a pasta não conseguiu fechar um posicionamento sobre o assunto a tempo.

“Eu vou desconfortavelmente me abster, mas deixar claro que quero acompanhar a reabertura, a investigação e a justiça. Porque, como todos aqui, queremos ver um país em que a memória seja respeitada e a justiça seja feita”, explicou Roseli Faria.

O conselheiro Hélio Leitão, que integra o grupo como representante do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), disse que a reabertura do caso é representativa no contexto de lembrança dos 60 anos do golpe militar.

“É um caso muito caro ao Conselho, porque ficou essa dívida junto à sociedade. As políticas de verdade, memória, justiça e reparação sofreram imenso retrocesso nos anos de governo Bolsonaro, quando políticas foram desmontadas e destruídas. Temos a compreensão de que esse caso carrega um simbolismo imenso”, disse Hélio Leitão. “Devemos seguir na recuperação da verdade, na responsabilização dos culpados e na busca pelos restos mortais de Rubens Paiva”.

Os elementos que forem coletados no novo processo serão encaminhados para o Ministério Público Federal e para as instâncias oficiais de apuração. O entendimento do conselheiro Hélio Leitão é de que a Lei da Anistia, de 1979, não protege torturadores e assassinos da ditadura militar.

“O Estado brasileiro já sofreu duas condenações por não punir agentes da ditadura e os violadores dos direitos humanos no período: no caso Araguaia e no caso Vladimir Herzog, ambos na Corte Interamericana de Direitos Humanos. Temos a compreensão, afinados com a jurisprudência internacional, de que esse tipo de crime é imprescritível”, disse o advogado.

Rubens Paiva foi eleito deputado federal em 1962, por São Paulo, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Quando veio o golpe militar, fez discurso público convocando a população a defender a democracia. Perseguido pelos militares, viveu como exilado na Iugoslávia e na França por nove meses. Quando voltou ao Brasil, manteve o trabalho como engenheiro e a militância contra a ditadura. Preso em 20 de janeiro de 1971, nunca mais foi visto. Esposa e filha foram levadas para o DOI-Codi, mas não viram Rubens Paiva.

* Colaborou Tâmara Freire, da Rádio Nacional

Matéria ampliada às 20h02 para inclusão do posicionamento do Ministério da Justiça

CONTEÚDOS PATROCINADOS

RELACIONADOS

Nota de corte parcial do Sisu está disponível para consulta

Dólar aproxima-se de R$ 5,19 com exterior e novas metas fiscais

Ageman promove fiscalização noturna na iluminação pública de praças