Internacional

Nascida de um estupro, mulher estuprada optou por ter o filho

Nascida em 1991, após sua mãe engravidar vítima de um estupro e optar por ter a filha, a ativista norte-americana pró-vida Paula K. Peyton foi vítima exatamente do mesmo trauma pelo qual sua mãe passou quando, em 2017, foi abusada e ficou grávida. Apesar de ser pressionada para realizar o aborto da criança, Paula seguiu o exemplo da mãe e deu à luz a Kaleb, hoje com 3 anos.

Em entrevista concedida ao portal Gazeta do Povo, a ativista que criou uma fundação para ajudar outras mulheres que se veem na mesma situação pela qual passou, e também as crianças nascidas a partir de agressões sexuais, contou sua história de vida, o drama pessoal e o trauma que viveu ao passar pela mesma experiência que a mãe.

Paula relatou que tomou conhecimento de que nasceu por conta de um estupro depois de uma discussão entre a mãe e a avó. Na ocasião, ela conta que a avó disse que Paula “teria sido abortada se a mãe soubesse fazer as coisas direito”.

– Fiquei envergonhada e chorei muito naquele dia. Esses conceitos, de aborto e estupro, me foram apresentados de forma tão negativa que derrubaram minha autoestima – disse.

Já sobre o estupro que sofreu, a ativista afirmou que o fato aconteceu em janeiro de 2017, quando foi para a casa de um rapaz que estava conhecendo e, ao se levantar para ir embora depois de sentir desconfortável pela maneira como foi tocada pelo homem, ela foi abusada por ele e um amigo sob a mira de uma arma.

– Eu fiquei com hematomas e mais tarde desenvolvi uma infecção feia, que poderia causar aborto espontâneo. Sangrei muito na primeira metade da minha gravidez por causa dessa infecção – relatou.

Paula também destacou que, ao descobrir que estava grávida, encarou o momento como uma benção ao pensar que Deus tinha mantido sua vida para cuidar da criança. Ela destacou que jamais pensou em realizar um aborto.

– Eu sabia que Deus me tinha dado uma dor que eu conseguiria suportar, e tinha dado por uma razão. Nunca houve nenhuma dúvida em minha mente de que eu manteria o bebê. Ele era meu filho, e eu o amei instantaneamente – afirmou.

Criadora da fundação Hope After Rape Conception (Esperança para a Concepção após o Estupro, em português), Paula K. Peyton diz que hoje tem como objetivo oferecer esperança para mães que vivem a mesma situação pela qual ela passou.

– As necessidades de cada uma delas são diferentes. Algumas precisam apenas contar histórias que elas não se sentem seguras para compartilhar com os amigos e as famílias. Outras precisam de aconselhamento para lidar com o trauma, e muitas pedem aconselhamento legal porque os homens que as estupraram entram na justiça para ter o direito de visita ou de custódia das crianças – apontou.

A ativista diz que é a favor de que mulheres vítimas de abuso continuem a gravidez e que, em casos como de uma gravidez ectópica, onde a vida da mãe é ameaçada pelo fato de o bebê se implantar fora do útero, vale a intenção de fazer o parto para salvar a vida da mãe.

– Se a intenção é fazer o parto antes para garantir a saúde da mãe, e o bebê acaba morrendo por não conseguir sobreviver por conta própria, essa é uma situação inteiramente diferente da de arrancar o bebê do útero da mãe apenas por conveniência – completou.

Pleno News

Leia Também

China tem 723 mortes por coronavírus e mais de 34 mil casos confirmados

admin

Delegações estrangeiras abandonam reunião da ONU sobre Venezuela

admin

Funai denuncia bloqueio de conta no Facebook por imagens de índias com seios nus

admin