Amazonas

Defensoria Pública atende famílias de venezuelanos em abrigo no Coroado, com apoio de Seas e Sejusc

Nuglis Gonzalez, de 32 anos, buscou, nesta terça-feira (17/11), atendimento para a emissão da carteira de identidade do filho mais novo, que nasceu há 2 meses em Manaus. Ela e o bebê são alguns dos migrantes venezuelanos atendimentos pela Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), em ação conjunta com as secretarias de Estado de Assistência Social (Seas) e de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) no abrigo do bairro Coroado, zona leste de Manaus.

A regularização de documentos de crianças e até de adolescentes que chegam à cidade desacompanhados tem sido uma das principais demandas dos migrantes, segundo os órgãos de atendimento. Nuglis está há 8 meses em Manaus, com duas filhas adolescentes, de 14 e 17 anos, além do bebê de 2 meses. Chegou em fevereiro, para passar alguns meses com a irmã que já mora aqui, mas foi pega de surpresa pela pandemia, contou a venezuelana, em espanhol.

Segundo ela, toda a documentação das outras filhas e a dela está regular, faltando apenas a identidade do bebê. Nesta manhã, ela também aguardava orientações para encaminhamento de atendimento da filha mais velha, que está em final de gravidez.

“Registro e CPF, já tem. Falta a identidade”, disse ela, em espanhol, referindo-se ao caçula. Nuglis e a família foram encaminhadas para a Defensoria Pública para o atendimento da DPE-AM e da Sejusc.

Durante o atendimento desta terça-feira, a Defensoria também prestou assistência jurídica para outras demandas, como guarda, divórcio e regularização de crianças e adolescentes desacompanhados de responsáveis legais.  O abrigo do Coroado tem hoje 60 pessoas acolhidas, sendo que 24 são crianças ou adolescentes, segundo informações da Seas, responsável pela administração do local.

De acordo com o defensor público Rodolfo Lobo, que responde pela Defensoria Pública Especializada na Defesa de Direitos Humanos, a instituição percebeu que, neste ano, muitas demandas dos migrantes ficaram represadas após a suspensão de alguns serviços por conta da pandemia, e agora há a necessidade de maior atenção a essa população. 

“Então, viemos para a unidade do Coroado para atender todas as famílias, tanto crianças e adolescentes, quanto adultos e idosos. Com a parceria de Seas e Sejusc, buscamos atender essas demandas e resolver as necessidades jurídicas das pessoas venezuelanas que estão hoje em Manaus”, afirmou.

Agenda – Outros dois mutirões de atendimento jurídico aos venezuelanos serão realizados nesta quarta-feira (18/11) e no próximo dia 25, no Posto de Interiorização e Triagem de Manaus (Pitrig), localizado na avenida Torquato Tapajós. “Nas próximas duas quartas-feiras, o atendimento será para aquelas pessoas que não estão em acolhimento hoje. Quaisquer pessoas venezuelanas poderão ser atendidas pela Defensoria Pública, nas próximas duas quartas-feiras, no Pitrig”, disse Rodolfo Lobo.

O chefe do Departamento de Proteção Social Especial da Seas, Keyne Mendonça do Carmo, explicou que, para garantir os direitos dos migrantes abrigados, a secretaria precisa que eles estejam devidamente documentados.

“Assim, podem ter essa recuperação social e serem inseridos no nosso mercado de trabalho. Então, o trabalho junto com a Defensoria é para identificar qualquer tipo de documentação necessária, além de demandas pessoais como guarda, divórcio, menor sem responsável, sem registro. Então, esse trabalho junto à Defensoria é para buscar sanar todo o tipo de documentação”, afirmou.

Adolescentes desacompanhados – A gerente de Migração, Refúgio, Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Trabalho Escravo da Sejusc, Maria José de Oliveira Ramos, informa que há uma grande preocupação das instituições com relação a adolescentes venezuelanos que estão chegando a Manaus desacompanhados e sem documentação, o que os deixa ainda mais vulneráveis.

“Temos encontrado alguns adolescentes totalmente desacompanhados, que chegam sem nenhuma documentação. Existe uma grande preocupação nossa, enquanto Estado, de regularizar a documentação desses adolescentes, até por questão de prevenir violação de direitos humanos. E eles ficam muito vulneráveis a várias violações que podem sofrer, assim como violências urbanas”, afirmou Maria José.

A gerente de Migração explica que, nesses casos, primeiro se identifica o adolescente, é feita uma escuta para saber como ele ou ela chegou ao país e, a partir daí, é dado encaminhamento para um abrigo. A rede de atendimento também busca alguém próximo que possa assumir o termo de responsabilidade sobre o adolescente. “Buscamos alguém que possa acompanhar esse adolescente e, geralmente, eles são encaminhados para um abrigo, para que fiquem mais protegidos. Essa é que é a intenção”, afirmou.

Maria José diz ainda que a parceria com a Defensoria já é antiga e que os órgãos atuam como grandes articuladores dos serviços da rede de atendimento. “O objetivo é facilitar o acesso dos migrantes aos serviços jurídicos, porque muitos já chegam com pendências, como a questão de guarda, adolescentes desacompanhados e precisam desse atendimento, não só da Defensoria Pública do Estado, como também da União”, concluiu.

FOTOS: Clóvis Miranda/DPE-AM 

Leia Também

Campanha de orientação para volta às aulas é iniciada na rede estadual de educação

admin

Governo do Amazonas prorroga prazo para que empresas do PIM apresentem Estudo de Competitividade

Barbara Nascimento

Prefeitura confirma seis pessoas desaparecidas após naufrágio de barco no interior do Amazonas

admin