Internacional

China e OMS serão investigadas por “negligenciar pandemia”

O painel independente para avaliar os erros e acertos na resposta de países e da Organização Mundial de Saúde (OMS) à pandemia da Covid-19 terá como prioridade analisar se as primeiras notificações sobre a existência do novo coronavírus na China foram dadas a tempo.

O anúncio foi feito nesta terça-feira (10) durante um informe preliminar sobre os trabalhos do grupo, feito na Assembleia Geral da OMS, pelas presidentes conjuntas do painel, a neozelandesa Helen Clark e a liberiana Ellen Johnson Sirleaf.

Em 31 de dezembro do ano passado, a China notificou a OMS pela primeira vez sobre casos em humanos de um coronavírus até então desconhecido, em Wuhan. A agência reportou sobre a patologia em 4 de janeiro nas redes sociais e divulgou as primeiras guias às redes de saúde nacionais seis dias depois.

O painel de investigação, que é formado por 13 especialistas, já se reuniu duas vezes e deve apresentar as conclusões em maio do ano que vem.

O grupo espera contar, para avaliar os primeiros momentos da pandemia, com a informação de uma missão da OMS e outras agências que está sendo preparada sobre a China, também para estudar a origem do novo coronavírus, que já matou mais de 1,25 milhão de pessoas.

De acordo com o informe de hoje, o painel independente, inclusive, investigará se a Organização Mundial de Saúde tem competência e mandato para prevenir e responder a uma pandemia, e se o diretor-geral da agência tem autoridade suficiente.

Além disso, examinará se a estrutura da agência é apropriada para este tipo de crise sanitária, e se o financiamento é adequado para o caso de uma pandemia.

A criação do painel foi determinada pela própria OMS, após críticas recebidas pela gestão inicial da pandemia, especialmente pelos Estados Unidos. O grupo, no entanto, não focará apenas na organização, mas também avaliará as respostas de cada país.

Outro objetivo será “desenvolver um sistema internacional ideal para alcançar uma preparação e resposta eficaz à uma pandemia” e analisar algumas das deficiências mostradas, por exemplo, nas dificuldades de acesso aos equipamentos de proteção, testes e tratamentos em algumas fases da crise.

*Com informações da agência EFE

Leia Também

Eleições nos EUA: Twitter segue censurando postagens de Trump

Junior Ferreira

Facebook cria conselho para analisar violações de regras internas

admin

Escassez de remédios assola Venezuela enquanto prossegue impasse sobre ajuda humanitária internacional

admin