Amazonas

Campanha de multivacinação é prorrogada até o dia 30 de novembro no Amazonas

FVS-AM alerta que doenças eliminadas do Amazonas podem retornar devido às baixas coberturas vacinais

Sarampo, rubéola, difteria e poliomielite são algumas das doenças eliminadas do país, mas que podem ser reintroduzidas devido às baixas coberturas vacinais. É o que alerta a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM). Com mais de 30 dias de duração e sem atingir a meta vacinal, tanto a campanha de vacinação contra poliomielite (paralisia infantil) como a de multivacinação foram prorrogadas pelo Ministério da Saúde até o dia 30 de novembro.

No Amazonas, a cobertura vacinal de poliomielite atingiu 45,12%, até o dia 29 de outubro, dia de encerramento da campanha. A meta é vacinar, pelo menos, 95% dos grupos prioritários, que são crianças de 1 a 4 anos, para poliomielite, e de crianças e adolescentes para atualização das demais vacinas da caderneta vacinal.

Dados parciais do Programa Nacional de Imunizações da FVS-AM (PNI/FVS-AM) demonstram que foram vacinadas, até a última quinta-feira (29/10), 144.532 crianças de um total de 306.602, com alcance de cobertura vacinal de 45,12%.  A meta de cobertura vacinal, que é de 95% nos grupos-alvo, foi alcançada apenas nos municípios de Silves (99,24%), Canutama (96,47%) e Amaturá (96,76%).

Existe a possibilidade de retorno de doenças eliminadas, devido à deficiência vacinal. É o que explica a diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto. “Há um esforço coletivo entre os serviços de saúde para manter disponíveis todas as vacinas preconizadas no calendário vacinal da criança. No entanto, é percebida a baixa adesão aos pais ou responsáveis para vacinar essas crianças”, disse.

Rosemary lembra que o mundo todo está à espera de uma vacina contra a Covid-19, mas há outras doenças que podem retornar ao nosso convívio por conta da falta de vacinação. “Vacinar é o maior ato de amor com as crianças, pois é por meio delas que os pequenos se mantêm saudáveis dentro da família”, disse.

A coordenadora estadual do Programa Nacional de Imunização na FVS-AM, Izabel Nascimento, aponta que as campanhas de vacinação devem ser mantidas sem prejuízo para as atividades de rotina dos serviços de saúde.

“A recomendação é que as doses existentes devem continuar sendo destinadas aos grupos prioritários da campanha. Enfatizamos a importância de todos os municípios atuarem no sentido de ampliar a adesão à campanha de vacinação”, afirmou.

Izabel salienta ainda que a meta de 95% de cobertura vacinal é uma exigência do Ministério da Saúde. “É importantíssimo alcançar essa meta, e a prorrogação é a oportunidade para que os grupos prioritários sejam alcançados. Por isso, fazemos mais uma vez o alerta para que pais e responsáveis levem seus filhos para se vacinar”, disse Izabel.

Cobertura 

Entre os municípios que estão com pior índice de cobertura vacinal na Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite deste ano estão Manicoré (6,13%), Tapauá (6,86%), Boca do Acre (8,21%), Japurá (10,39%), Juruá (11,34%), Eirunepé (11,44%), Maraã (12,24%), Manaquiri (12,79%), Pauini (13,42%) e Maués (16,01%). A capital do estado, Manaus, atingiu cobertura de 50,08%.

Referência 

A FVS-AM é responsável no Amazonas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), cuja missão é contribuir para o controle, eliminação e erradicação de doenças que podem ser evitadas com a vacinação.

A instituição funciona de segunda a sexta, das 8h às 17h, na avenida Torquato Tapajós, 4.010, Colônia Santo Antônio, Manaus. Mais informações podem ser obtidas nos telefones: (92) 3182-8550 e 3182-8551. Os contatos do Programa Nacional de Imunização (PNI/FVS-AM) são (92) 2129-2500 e 2129-2502.

Leia Também

FUNAI FAZ CONTATO COM ÍNDIOS ISOLADOS NO AMAZONAS

admin

Adaf encerra no próximo dia 15 segunda etapa de campanha de vacinação contra aftosa em 41 municípios

Barbara Nascimento

Setembro Amarelo: Secretaria de Educação promove bate-papo sobre saúde mental nas escolas

Barbara Nascimento